Gestão Horizontal x Gestão Vertical: qual é melhor?


gestão horizontal e gestão vertical
Em pleno ano de 2019, pouco se discute a importância da gestão e se ela pode mudar o patamar de uma empresa ou não, pelo simples motivo de que ela já foi mais que provada como um dos principais fatores para o sucesso se tornar realidade.

Por definição, gestão é uma atividade político-administrativa responsável por todas as áreas de uma organização: administrativa, financeira, comercial, segurança, contabilidade, produção e evidentemente envolve a parte humana.

Independente do setor, o gestor é como ‘o guia’ da empresa, ou seja, é o responsável por extrair o melhor dela e assegurar que ela atinja o ápice de seu desenvolvimento, envolvendo todos os procedimentos internos e como eles serão assimilados externamente.

O modelo clássico de gestão, o vertical, é até hoje usado pela maioria das organizações que com o passar dos anos foram o adaptando de acordo com suas filosofias e necessidades, surgindo assim o conceito de gestão horizontal.

Entretanto, quando o assunto vem à tona, muito se discute sobre qual estrutura organizacional é a mais apropriada e como implantá-la de forma que ela traga bons resultados. Mas, antes disso, é preciso conhecê-las:


A gestão vertical


Esta estrutura é baseada em hierarquia e nela há topo, meio e base.

A gestão vertical possui níveis de escalão baixo, médio e alto. Por exemplo: o presidente é o cargo mais alto, depois há o vice, diretores e por aí vai até chegar aos funcionários, que respondem diretamente ao responsável pelo setor em que atuam.

As ordens vêm de cima, ou seja, todos os planejamentos, estratégias, planos de ação, estabelecimento de metas, cargos e funções são definidos pelos gestores, de modo com que os funcionários os sigam conforme lhes é passado.

O delimitador hierárquico ajuda cada integrante a compreender o seu papel dentro da organização, visando manter todos os processos em ordem.


A gestão horizontal


Neste modelo os colaboradores têm autonomia para tomar suas próprias decisões dentro do ambiente de trabalho, pois a ideia é investir na capacitação de todos para que seja possível otimizar processos.

Na gestão horizontal não existem ‘chefes’ responsáveis por cada setor. Na realidade, os funcionários respondem diretamente para apenas uma pessoa, visando reduzir burocracias internas e assim tornar as tomadas de decisão mais rápidas.


Quem é adepto da gestão horizontal?


Talvez você conheça a Google e a Tesla.

Ambas, trabalham com a gestão horizontal pois acreditam que a liberdade ajuda os colaboradores a tomarem decisões mais assertivas e ainda por cima, rápidas.

Tratando da empresa do famoso Elon Musk, seu objetivo com a ideia de horizontalidade é facilitar a comunicação entre os setores e evitar ao máximo processos burocráticos que podem ficar ‘travados’ por depender de alguém para bater o martelo.

A famosa frase do bilionário diz o seguinte: 

“A comunicação deve percorrer o caminho mais curto necessário para fazer o trabalho, não através da ‘cadeia de comando’. Qualquer gerente que tente impor a comunicação baseada na cadeia de comando logo estará trabalhando em outro lugar.”

Perceba, embora o termo ‘gestão horizontal’ não tenha sido citado uma única vez, casa perfeitamente com o conceito, justamente por minimizar quaisquer procedimentos que possam se tornar extensos devido a burocracias.


No Brasil


Musk é um gênio e ponto final, mas vamos trazer a gestão horizontal à nossa realidade. Por aqui, o Grupo Ideal Trends é um dos principais partidários do modelo e ainda a implantou com a cultura empresarial.


Cultura e horizontalidade


Cultura empresarial é o conjunto de valores, hábitos, crenças e ideias que forma uma empresa e é aliada à  gestão principalmente ao que diz respeito aos direcionamentos, ações e tomadas de decisão.

A cultura empresarial tem em sua síntese fazer com que todos se sintam identificados com os objetivos da organização e trabalhem para atingi-los.

O Grupo Ideal Trends é composto por 21 empresas de diferentes segmentos: saúde, marketing digital, cosméticos, oportunidades de negócios, Ongs.

Integrada por 10 princípios, a cultura do Grupo Ideal Trends é baseada na gestão horizontal, que garante autonomia aos seus colaboradores tomarem decisões e terem contato direto com seus diretores, otimizando processos.

Os princípios de uma cultura organizacional geralmente são:

• Sonhar grande;
• Meritocracia;
• Formar líderes;
• Ser exemplo;
• Resultados;
• Agir como dono;
• Simplicidade e franqueza;
• Empresa enxuta;
• Trabalho duro;
• Integridade.


Qual das duas é melhor?


Sabe, é como dizem, não existe fórmula pronta para o sucesso, cada caso é um caso. Porém, esse tipo de resposta não só é chata como não ajuda em nada.

A gestão vertical tem caído por terra dia após dia, porque as empresas passaram a constatar que dar liberdade aos colaboradores é melhor que deixá-los em uma caixa, apenas desempenhando suas respectivas funções.

Assim, a gestão horizontal tem sido a aposta de grandes organizações (como o case citado Grupo Ideal Trends) para dar aquele próximo passo e propor inovação nos processos internos, o que por consequência reflete externamente.

Conheça os canais do Grupo Ideal Trends: Site, Facebook, Instagram e Youtube.


COMENTE

Deixe o seu comentário nos campos abaixo: