Mulheres empreendedoras: histórias para você se inspirar


Mulheres empreendedoras

Em uma sociedade pautada pela dominância — em queda, felizmente — do patriarcado, mulheres empreendedoras ainda enfrentam barreiras relacionadas às desigualdades sociais, ao sexismo e à falta de investimentos por parte de instituições financeiras.
 

Contudo, mesmo em meio às dificuldades, elas estão se sobressaindo, inovando e criando oportunidades de crescimento no mercado. Com perfis diversos, as mulheres empreendedoras transformam suas experiências e lutas em negócios lucrativos e inspiradores.
 

Neste artigo, veremos números relacionados ao empreendedorismo feminino no país, áreas de destaque, desafios enfrentados e três exemplos de muito sucesso. Confira!

 

Número de mulheres empreendedoras no Brasil

Segundo a pesquisa do projeto GEM (Global Entrepreneurship Monitor) de 2017, a qual é produzida pela equipe do IBQP (Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade) com o apoio do SEBRAE, constatou-se que o número de mulheres empreendedoras é de 23,9 milhões, muito próximo ao dos homens, que chega a 25,4 milhões.
 

Se falarmos em empreendedores iniciais, elas estão na frente: são 14,2 milhões de mulheres e 13,3 milhões de homens.
 

Com esses dados, vemos a prevalência do empreendedorismo feminino no Brasil, mesmo que seja em estágio inicial. Pela análise, pode-se inferir que os anos vindouros certamente reservam surpresas em relação à superação e à dominância feminina no meio empresarial.

 

Áreas de destaque e desafios enfrentados

Veja a porcentagem relacionada ao número de mulheres empreendedoras em alguns segmentos de e-commerce, segundo um estudo divulgado em 2018 pela Nuvem Shop (plataforma que oferece planos para a criação de lojas virtuais):
 

  • Moda (roupas e acessórios): 64,40%;
  • Saúde e beleza: 57,70%;
  • Casa e decoração: 44,90%;
  • Eletrônicos: 22,80%.
 

No entanto, segundo um levantamento baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2016, cujos dados foram divulgados posteriormente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), apenas 37,8% dos cargos de chefia são ocupados por mulheres.
 

Percebemos que, apesar dos números vistos no tópico anterior e do destaque em alguns segmentos de e-commerce, ainda há muitos desafios a serem enfrentados.
 

Em um artigo feito pelo SEBRAE em parceria com a Endeavor Brasil, por exemplo, podemos conferir algumas barreiras que impedem a ascensão de mulheres nos negócios, como:
 

  • Investimento desigual por parte de instituições financeiras;
  • Desestímulo no meio empresarial;
  • Educação desigual;
  • Discriminação baseada nos estereótipos de gênero (sexismo).
 

Esse cenário está mudando aos poucos, mas é preciso que esforços continuem sendo feitos nos meios sociais e corporativos para que a competência feminina seja, além de reconhecida, respeitada.

 

Mulheres que dominam o empreendedorismo no país

Quais são as mulheres empreendedoras que se destacam no Brasil? Certamente há muitos exemplos, mas separamos três para você.

Confira!

 

Leila Velez

Hoje, presidente e co-fundadora da empresa Beleza Natural. Antes, ex-atendente do McDonald’s.
 

Com mais três amigos e parceiros de negócio, Leila buscava um produto para harmonizar cabelos crespos e ondulados.
 

Foram muitos anos de teste até chegar numa fórmula que atraísse inúmeros clientes, mas o sonho se tornou realidade e hoje a Beleza Natural é um sucesso que continua em expansão. Vale a pena conhecer um pouco mais da história dessa empreendedora de sucesso por meio de suas próprias palavras.

 

Luiza Helena Trajano

O Magazine Luiza nem sempre foi uma das maiores redes varejistas do país: a responsável pela transformação de um pequeno comércio em uma loja de sucesso nacional foi Luiza Helena Trajano.
 

Ela começou a trabalhar no varejo aos 12 anos, se orgulha por ser vendedora e hoje colhe os frutos de seu trabalho, de seu sonho, da sua persistência e de seu aprendizado ao longo dos anos. Conheça um pouco mais sobre esse exemplo de empreendedorismo feminino!

 

Anitta

Reconhecida mundialmente, a cantora e empreendedora Anitta precisa ser lembrada quando se trata de sucesso no meio empresarial. Por quê?
 

Ela cuida de perto da sua carreira e foi a responsável pelo seu sucesso dentro e fora do país — por meio de cursos, treinamentos da própria equipe, parcerias com cantores de outros países e estudos do mercado e da concorrência, soube identificar o que seu público queria, arrecadou uma fortuna e se consolidou em sua área.
 

A jovem empreendedora, inclusive, já palestrou até em Harvard.
 

Enfim, vimos que em uma sociedade que ainda conta com retrocessos e desigualdades, o empreendedorismo feminino surge também como uma fonte de luta e de empoderamento, mostrando a competência e o sucesso de mulheres empreendedoras na gestão de diferentes negócios e de empresas de todos os portes.
 

Quer entender um pouco mais sobre o assunto por meio de outros números e pesquisas na área?  Então leia o nosso artigo sobre a importância do empreendedorismo feminino para o mercado!

 



COMENTE

Deixe o seu comentário nos campos abaixo: