Ativo circulante


Ativo circulante

 

Qual a importância do Ativo Circulante? Toda empresa lida diretamente com sua contabilidade todos os dias, e esta pretende mostrar aos gestores da organização, caso o controle financeiro, principalmente, esteja indo bem, se não estão no chamado e temido “vermelho”, se podem investir e muito outros indicativos possíveis.
 
Os ativos de uma empresa, principalmente o Ativo Circulante, também são apresentados nesta mesma contabilidade e todo ativo faz parte integrante das contas patrimoniais de uma empresa. No entanto, precisamos entender e identificar quais são eles, pois nem todos estão disponíveis de imediato.
 
Neste post, vamos falar mais sobre o que é ativo circulante e não circulante, qual a sua funcionalidade nas contas de uma empresa e vamos ainda citar alguns exemplos relevantes sobre, acompanhe.

Ativo Circulante: o que é?

Conforme mencionado sobre o que é ativo circulante, trata-se da parte integrante do patrimônio de uma empresa, mas nem todo está disponível de pronto e é preciso também identificar e diferenciar bem um de outro. Então, podemos falar do Ativo Circulante, que, em poucas palavras, é aquele que vira dinheiro e valor rapidamente.
 
Caixa, contas em constante movimento de entrada e saída, etc., fazem, em geral, parte deste ativo. Existem ainda, claro, muitos outros exemplos relacionados (citaremos os principais logo abaixo).
 
Em suma, é todo bem ou direito que uma organização consegue transformar em dinheiro até o final do exercício seguinte, sempre considerando um curto prazo. 
Muitas empresas, para facilitar este processo, já fazem uso de sistemas de gestão empresarial que conseguem integrar todos os fluxos contábeis, facilitando e muito este gerenciamento. 

Ativo Circulante Exemplos

Quais elementos fazem parte do ativo circulante? As contas patrimoniais e seus elementos podem variar e variam muito, mas é muito comum encontrarmos neste grupo Ativo Circulante Exemplos principais, que são:

A. Disponibilidade Direta:

• Caixa da Empresa: é dinheiro existente em espécie na empresa e considerado o recurso financeiro de maior liquidez, afinal, ele já está ali, disponível, pronto para o uso.
• Bancos/contas: recursos diretos depositados em contas-corrente da empresa com livre movimentação por parte desta. Considera-se “livre movimentação” todo valor financeiro que pode ser imediatamente sacado, transferido ou mesmo investido. Contas Poupança também entram neste item.
 
• Investimentos/aplicações financeiras: são recursos que até podem não estar disponíveis de imediato, mas considera-se que em um curto prazo (no máximo médio prazo) estes já estejam convertidos em valores utilizáveis. 
 
Em geral, são títulos de liquidação imediata, aplicações com rendimentos prefixados, entre muitos outros.
 
• Depósitos bancários: títulos, cheques e/ou transferências que estarão disponíveis em conta em um curto espaço de tempo.
 
• Outros: dependendo do ramo de negócio, outras disponibilidades financeiras de caráter imediato podem ainda compor esta relação acima.

B. Créditos de médio prazo:

• Duplicatas e contas a receber: vendas parceladas, faturamentos de qualquer tipo, etc., entram como ativos circulantes, mas considerando um médio prazo para recebimento/utilização deste ativo. Mesmo assim, é capital que pode já ser considerado como líquido, utilizável.
 
• Títulos a receber: notas promissórias, negociações com duplicatas não pagas na data correta, renegociações de dívidas, etc. Aqui entram também valores de empréstimos a receber de terceiros ou mesmo vendas que não estejam diretamente ligadas às operações normais da empresa.
 
• Outros valores ainda por receber: todo e qualquer valor ainda não recebido. Podem ser oriundos de alguma prestação de serviço por um prazo maior, como:
  • o Serviços prestados e ainda não faturados;
  • o Juros a receber de algum empréstimo ou até investimento;
  • o Adiantamento a fornecedores de qualquer tipo (como matéria prima, por exemplo), etc.
Obs.: créditos e recebimentos de longo prazo, comumente falando, nem sempre são considerados como ativos circulantes, mas também podem compor uma conta de uma organização, desde que estes recebimentos tenham datas pré-fixadas e que possam ser negociados.

Ativo Circulante Operacional e Ativo Circulante Financeiro

Lembra que comentamos no início que há diferenciação entre os ativos? Os termos Ativo Circulante Operacional e Ativo Circulante Financeiro são utilizados para se dividir a conceituação destes ativos, para serem utilizados pela gestão empresarial quando da necessidade de capital de giro.
 
Esta divisão considera como base de conceituação a origem deste capital. Confira:
 
• O ativo circulante operacional: todo ativo oriundo de operações empresariais como contas a receber de clientes, estoques, etc. 
• O ativo circulante financeiro: provém principalmente de aplicações financeiras e do próprio caixa da empresa.

Ativo e Passivo Circulante? Qual a diferença?

Ativo e Passivo circulante não são a mesma coisa, mas ambos são circulantes. No primeiro, como já vimos logo acima, são os elementos financeiros com maior grau de liquidez para uma empresa, ou seja, é dinheiro rápido nas mãos da organização.
 
Ao contrário, no Passivo circulante encontramos todas as obrigações que normalmente são pagas dentro de um ano pela empresa. Poderíamos até dizer, em uma comparação rápida, que são dívidas de curto prazo e que geralmente não permitem mais renegociações. Veja alguns exemplos: 
 
• Contas a pagar;
• Dívidas com fornecedores de insumos e/ou matéria-prima;
• Impostos a recolher (municipais, estaduais e/ou federais);
• Empréstimos bancários com vencimento no ano contábil vigente;
• Provisões, etc.

Ativo Não Circulante

Resumidamente, o ativo não circulante são as contas de longo prazo. Em outras palavras, também é dinheiro para entrar, são ativos, mas com um prazo maior para recebimento.
 
São os imobilizados como prédios, terrenos, marcas ou patentes, tecnologias registradas, investimentos de médio/longo prazos, frota de veículos, etc.
 
O valor total de ativos de uma empresa é obtido através da soma direta de todos os ativos circulantes e não circulantes e estes, em conjunto com os passivos, formam o balanço patrimonial da organização.

Para se apropriar do assunto, leia mais sobre: O que é Integração Contábil e os benefícios para o seu negócio.


COMENTE

Deixe o seu comentário nos campos abaixo: