Início » Blog » Controle de Estoque » Tipos de controle de estoque: descubra o melhor para o seu negócio

Tipos de controle de estoque: descubra o melhor para o seu negócio

Realizar uma gestão de estoque eficaz é uma das bases para escalar qualquer negócio, independentemente do tamanho ou setor que está inserido. Por isso, em um cenário empresarial cada vez mais dinâmico e competitivo, ter uma compreensão ampla sobre os tipos de controle de estoque é fundamental para se destacar no mercado e garantir uma […]

Por Carolina Durval
Atualizado em
Tipos de controle de estoque: descubra o melhor para o seu negócio

Realizar uma gestão de estoque eficaz é uma das bases para escalar qualquer negócio, independentemente do tamanho ou setor que está inserido. Por isso, em um cenário empresarial cada vez mais dinâmico e competitivo, ter uma compreensão ampla sobre os tipos de controle de estoque é fundamental para se destacar no mercado e garantir uma operação fluida e otimizada.

Encontrar o equilíbrio ideal entre manter produtos disponíveis para atender a demanda e evitar o excesso de armazenagem se torna crucial para reduzir desperdícios e otimizar os recursos da empresa. 

Escolher entre os tipos de controle de estoque é, portanto, uma decisão estratégica que requer uma análise profunda das necessidades e metas de cada negócio. Afinal, os riscos de uma gestão inadequada são muitos e podem comprometer o desenvolvimento e a sustentabilidade de qualquer organização.

Assim sendo, ao explorar os tipos de controle de estoque neste artigo, você estará preparado para tomar decisões informadas que não apenas aumentarão a eficiência operacional, mas também permitirão que você atenda às demandas do mercado de maneira mais ágil e rentável.

Confira a seguir: 

  • A importância do controle de estoque;
  • Conheça os principais tipos de controle de estoque;
  • Tecnologia na gestão de estoque.

Boa leitura!

A importância do controle de estoque

Um bom controle de estoque é muito importante para garantir que um negócio seja rentável e funcione de maneira adequada. Fazendo uma analogia com o corpo humano, é como se a gestão de estoque fosse o coração que mantém tudo funcionando direitinho, regulando todos os fluxos

Por que é essencial distinguir os tipos de controle de estoque?

Existem diferentes tipos de controle de estoque, e é interessante conhecer os principais métodos para definir qual é o melhor para o seu negócio. Cada modelo é como uma forma de cuidar das coisas que a empresa tem guardadas, como produtos ou materiais. 

Alguns tipos contam os produtos em intervalos de tempo, como fazer uma contagem a cada semana ou mês. Isso é bom para saber mais ou menos o que tem em estoque, mas pode não ser uma metodologia tão precisa. Outros métodos são mais constantes, sempre acompanhando o que entra e sai do estoque. Isso ajuda você a ter informações mais atualizadas e exatas.

Dessa maneira, o gerenciamento de estoque é essencial para que o gestor saiba exatamente o que tem em estoque, evitando gastos desnecessários e conseguindo planejar melhor suas compras e vendas. 

Nesse sentido, conhecer os tipos de controle de estoque mais profundamente é um ponto muito valioso para que a sua empresa adote uma metodologia adequada e desempenhe o papel necessário para promover o crescimento saudável

Alguns dos principais benefícios de escolher o tipo correto de gestão de estoque são:

  • Redução de custos;
  • Otimização de recursos;
  • Maior agilidade e eficiência operacional;
  • Satisfação do cliente;
  • Menor índice de faltas e/ou excessos;
  • Baixo risco de obsolescência.

Conheça os principais tipos de controle de estoque

No contexto da gestão empresarial, é fundamental adotar uma prática que seja condizente com a realidade do seu negócio. Afinal, fazer uma boa ou má escolha entre os principais tipos de controle de estoque vai impactar diretamente na eficiência operacional e no equilíbrio financeiro do seu empreendimento.

Por essa razão, dominar esse aspecto é crucial para atender às demandas do mercado de maneira eficaz. Além de ajudar a manter a saúde da organização em um cenário empresarial tão dinâmico e competitivo quanto o que estamos inseridos. 

Sendo assim, abaixo, separamos alguns dos principais tipos de controle de estoque. Destacamos, também, os principais pontos e diferenças de cada um deles para facilitar a sua compreensão e auxiliar você a escolher a melhor estratégia para o seu negócio.

Ciclo PDCA

O ciclo PDCA é um método sistemático e, quando aplicado à gestão de estoque, concentra-se na esfera operacional e na abordagem de solução de problemas.

  • Plan (Planeje): a etapa de planejamento consiste na identificação de objetivos gerais e específicos, definição de metas de níveis de estoque, rotatividade, eficiência e planejamento de estratégias para lidar com demandas inesperadas e/ou sazonalidades;
  • Do (Faça): a fase de execução baseia-se na implementação das estratégias planejadas, realização de compras e reabastecimento de estoque, e organização do espaço e do estoque como um todo para otimizar o acesso e a armazenagem;
  • Check (Verifique): o terceiro passo refere-se à verificação, chegou a hora de fazer o acompanhamento dos níveis de estoque com regularidade, realizar comparações entre os dados reais e as metas previamente estabelecidas, analisar a rotatividade dos produtos e identificar possíveis desvios de mercadorias;
  • Act (Aja): a última etapa resume-se à tomada de decisões embasadas a partir das análises efetuadas, realização de ajustes nos níveis de estoque, identificação de oportunidades de melhoria e implementação de mudanças.

Curva ABC

Esse tipo de controle de estoque considera alguns fatores-chave, como giro (quantidade de vezes que um produto é vendido em um período), faturamento (valor total das vendas) e lucratividade (margem de lucro obtida com a venda de cada mercadoria).

A ideia por trás da metodologia da curva ABC é dividir os produtos em três categorias diferentes:

  • Categoria A: cerca de 20% dos produtos que contribuem para 80% do estoque (em termos de valor);
  • Categoria B: cerca de 30% dos produtos que contribuem para 15% do estoque (em termos de valor);
  • Categoria C: cerca de 50% dos produtos que contribuem para apenas 5% do estoque (em termos de valor).

Em resumo, os benefícios desse método incluem uma visão mais ampla sobre como os produtos se movimentam no estoque. Destacando, assim, quais produtos têm maior relevância, permitindo otimizar a gestão de acordo com essa classificação.

Custo médio

Custo médio ou Média Ponderável Móvel (MPM) é um dos tipos de controle de estoque com maior e mais precisa capacidade de mensuração. Além disso, a Receita Federal reconhece e aceita o custo médio como uma forma legítima de calcular tributos relacionados aos produtos em estoque.

  • Média dos custos: como o próprio nome diz, esse modelo calcula uma média dos custos de aquisição dos produtos em estoque. O que ajuda a suavizar variações de preços e proporciona uma visão mais consistente do valor aproximado do estoque;
  • Variação de preços: esse é um ponto particularmente útil quando os preços de compra dos produtos são muito variáveis, pois auxilia a evitar grandes oscilações nos resultados financeiros;
  • Simplicidade e estabilidade: o custo médio oferece uma abordagem mais simples e estável para a gestão do estoque em comparação com outros métodos.

Giro de estoque

Essa metodologia se refere à análise da frequência com que a empresa vende e substitui um estoque de produtos durante um período de tempo previamente estabelecido, geralmente um ano.

  • Cálculo do giro de estoque: o cálculo envolve a divisão do custo total das vendas pelo valor médio do estoque durante o período determinado. Ou seja, Giro de estoque = Custo total de vendas / Valor médio do estoque;
  • Interpretação de resultados: se o valor obtido com a fórmula acima for mais alto, significa que os produtos estão sendo vendidos mais rapidamente e que há frequente movimentação de estoque. Se o resultado for mais baixo, esse número indica que os produtos permanecem no estoque durante um período de tempo maior antes de serem, de fato, vendidos;
  • Eficiência e lucratividade: apesar de associarmos o alto giro de estoque a uma boa eficiência operacional, um giro excessivamente alto pode indicar problemas de demanda ou falta de estoque.

Just In Time

O Just In Time (JIT), traduzido como “na hora certa”, é um dos tipos de controle de estoque que tem como principal objetivo eliminar desperdícios e aprimorar a eficiência nos processos de produção, estocagem e distribuição.

Em outras palavras, o JIT busca entregar produtos, peças ou materiais de acordo com a demanda, evitando acumular estoques desnecessários.

  • Redução de estoque: o JIT visa minimizar ou até mesmo eliminar os estoques excedentes que geram custos desnecessários e comprometem o espaço físico do estoque. Isso acontece no JIT, já que ao adotar esse sistema o gestor passa a adquirir mercadorias somente conforme a necessidade;
  • Produção sob demanda: como mencionado acima, a produção só é acionada após a demanda do cliente. O que ajuda a evitar a superprodução e a otimizar o espaço de armazenamento;
  • Extinção do desperdício: por fim, é importante saber que o JIT se baseia na eliminação dos sete tipos de desperdícios de estoque. São eles: superprodução, tempo de espera, transporte excessivo, processamento exagerado, estoque excedente, movimentação excessiva e defeitos.

Preço específico

Uma opção muito comum e interessante para empresas que lidam com operações mais robustas e/ou com produtos com maior valor agregado é o preço específico. Isso porque, esse tipo de gestão considera os custos exatos associados a cada item. 

Contudo, essa não é uma metodologia indicada para empresas que possuem alto giro de estoque, pois a individualização detalhada de cada item pode tornar o gerenciamento extremamente complexo e trabalhoso.

  • Utilização em produtos únicos: o método de preço específico é mais comum em organizações que lidam com produtos únicos, personalizados ou de grande valor individual. Porque, nesses casos, cada item possui um custo bastante significativo;
  • Precisão e detalhamento: em relação a qualquer outra metodologia, esse tipo de gerenciamento de estoque oferece um nível incomparável de precisão e detalhamento. Nele, cada item é avaliado e registrado com base em informações muito específicas sobre custos reais, o que permite uma visão ampla e precisa do valor do estoque.
  • Registro detalhado: para implementar o preço específico é necessário manter registros bastante detalhados e atualizados para cada mercadoria em todas as etapas.

PEPS

Um dos tipos de controle de estoque mais comuns é o PEPS (Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair), ou FIFO (First In, First Out), que tem a premissa de que os produtos adquiridos e/ou produzidos antes devem seguir uma ordem cronológica de consumo. Ou seja, eles devem ser os primeiros a serem vendidos ou consumidos.

  • Custo de aquisição original: seguindo a lógica principal do PEPS, os primeiros lotes de produtos devem ser os primeiros a serem vendidos/consumidos. Assim, o valor pelo qual essa mercadoria será vendida também deve ser baseado no preço de compra original;
  • Diminuição da obsolescência: utilizar o PEPS ajuda a evitar a obsolescência dos produtos. Uma vez que os produtos mais antigos no estoque são comercializados primeiro, reduzindo a probabilidade dos itens ficarem ultrapassados no estoque;
  • Utilização com produtos perecíveis: frequentemente, adota-se esse modelo em setores alimentícios e demais negócios que lidem com produtos perecíveis, nos quais a ordem de entrada e de saída dos produtos é crucial.

UEPS

O UEPS (Último a Entrar, Primeiro a Sair) ‒ LIFO (Last In, First Out) ‒ é o modelo contrário ao PEPS. Trata-se de uma abordagem que considera que os produtos mais recentes no estoque devem ser vendidos primeiro. 

  • Custo de aquisição atual: com o UEPS, o custo utilizado para a venda da mercadoria é baseado no custo do item mais recentemente adquirido/produzido;
  • Inadimplência fiscal: em alguns países, o UEPS não é visto com bons olhos e é vetado para fins fiscais. Pois é visto como uma metodologia que adia o pagamento de impostos ao atribuir custos maiores às vendas;
  • Utilização em contextos de inflação: esse tipo de controle faz mais sentido para ambientes de inflação nos quais os preços de compra aumentam frequentemente. Ajudando, assim, a refletir os custos reais de venda.

Tecnologia na gestão de estoque

Você já sabe que a tecnologia desempenha um papel importantíssimo no gerenciamento empresarial, certo? Bom, na gestão de estoque não é diferente. 

Dessa forma, contar com soluções avançadas e que permitem a otimização de todos os tipos de controle de estoque é primordial para alavancar a eficiência operacional. Além disso, esses recursos ajudam a garantir a tomada de decisões informadas.

Por isso, aparatos tecnológicos como o GestãoClick ‒ um software de gestão empresarial com funcionalidade completa de controle de estoque ‒ podem ser muito benéficos para a saúde financeira do seu negócio e para a sustentabilidade do seu estoque.

Utilizar um programa de manejo de estoque traz inúmeras vantagens, tais como:

  • Aumento da precisão das informações;
  • Monitoramento das mercadorias em tempo real;
  • Redução de custos;
  • Integração com outros sistemas e setores;
  • Maior flexibilidade;
  • Otimização de processos.

Viu só? A funcionalidade de controle de estoque do GestãoClick traz inúmeros benefícios para a sua empresa. Tire a prova: teste o nosso sistema gratuitamente durante dez dias e aproveite todas as nossas ferramentas para aprimorar a gestão do seu negócio.

Carolina Durval

Carol da GestãoClick

Graduada em Jornalismo pela UFOP e pós-graduada em Revisão e Preparação de Textos pela PUC Minas, a Carol é Analista de Conteúdo da GestãoClick e apaixonada por comunicação, tecnologia e pela arte de transmitir conhecimento por meio da escrita.
Deixe seu comentário
Deixe uma Comentário

Fique por dentro também

Confira outros conteúdos que podem te ajudar a alcançar uma gestão eficiente, otimizar o seu tempo.

Converse com um de nossos especialistas e garanta condições especiais!
GestãoClick
Logo